segunda-feira, 29 de julho de 2013

E o tempo passa

- Vovó, onde eu guardo esse?
- Acho que na segunda prateleira é melhor, querida.
- Está bem. Mas é pesado esse livro, viu!
- Nem me fale! Nem sei como agradecer por estar me ajudando a organizar esses livros.
- Imagina, vovó. Os testes só começarão em Abril. Ainda tenho tempo.
- Graças a Deus! Alguém precisa ajudar essa velha.
- Velha? Nada disso! 60 anos não é nada, vovó!
- Eu também achava isso até sofrer as consequências da velhice. Depois você percebe que 60 anos, na verdade, são tudo.
- Tenho certeza que a senhora viverá eternamente, vovó.
- Bem que eu gostaria, querida.
- E vai! Eu lhe prometo.
- Ah! Então tudo bem! Com você prometendo, não preciso me preocupar.
- Certeza. Hum...onde eu coloco esse?
- "Romeu e Julieta"? Este é um clássico! Vou levá-lo até o escritório. Deixe em cima daquela pilha...
- Está bem. E este? Nossa, este está até preto! Você nunca limpou este quarto, não?
- Sinceramente? Não.
- Espere.
- O que foi?
- Sem ofensas, vovó, mas que título é esse?! "A caneta do meu chefe"? Eu sei que não devemos julgar o livro pela capa, mas tudo tem um limite.
- E eu nem sei como isso veio parar aqui! Nunca o vi.
- Doação?
- Com certeza!
- Vovó, posso fazer uma pergunta?
- Claro, minha filha.
- Por quê a senhora tem um livro chamado "Agarrando os homens com poder"?
- Nossa! Esse livro ainda existe?
- Está aqui. Veja.
- Acho que esta relíquia tem uns 30 anos, no mínimo.
- E você não respondeu a minha pergunta...
- Bom, eu ganhei esta polêmica de um amigo do ginásio. Ele era louquinho por mim! Até me pediu em casamento! E nós éramos dois jovens de 18 anos...
- Como?! Que absurdo...
- E sabe qual é o pior?
- Diga...
- Ele era incondicionalmente lindo!
- Vovó!
- O que foi?! É a mais pura verdade. Meu Deus, nunca me esquecerei daqueles olhos azuis! Como vocês, adolescentes, chamam os homens bonitos hoje em dia, mesmo? Ah! Gato!
-  Meu Deus! Nunca pensei que ouviria a minha avó dizer "Meu Deus" e "Gato" na mesma frase.
- Pare de drama, menina! Estou lhe dizendo a verdade. Os homens de antigamente eram milagrosamente lindos.
- Está bem, vovó. Já entendi...
- Mas, e você?! Duvido que não tenha um rapaz correndo atrás de você, menina.
- Não acredito que estou tendo esta conversa com a minha avó.
- Ah, por favor! Sou velha, sim. Admito que sou. Mas eu também sou gente.
- Não quero fal...
- Algo que me diz que você está bem encabulada!
- Vovó! Não!
- Está sim! Olha como está vermelha.
- E é nesse momento que eu me pergunto quais são as vantagens de ter uma avó descolada.
- Está bem! Está bem! Encerramos o assunto, então.
- Grata.
- Bom, quer me ajudar a acabar de arrumar esta baderna, ou não? Está brincando de estátua agora?!
- Engraçadona, você!
- Vamos, pegue aqueles da caixa...
- Só mais uma coisa, vovó: O vovô sabe deste seu amor passageiro?
- Não! Isso já foi há muito tempo, menina!
- Entendi.
- Não conta para o seu avô, mas aquele homem dava de dez à zero nele.
- Chega, vovó. Vou para o meu quarto.
- Espere! Você não vai me ajudar mais? Tenho 60 anos de idade!
- Idade é só um número, vovó. Só um número...

Nenhum comentário:

Postar um comentário